A beleza e o seu contrário

Posted on

Num concerto em Tóquio, ainda em 2014, o maestro japonês Joe Hisaishi colocava um ponto final na discussão sobre a hierarquia de valores em relação às artes.

Conduzindo a Orquestra Filarmônica do Japão da insalubridade de Penderecki para o céu cheio de estrelas de Bach, ele demonstrou objetivamente a diferença entre a beleza e o seu contrário.



Este conteúdo é restrito a usuários cadastrados. Se você já tem cadastro, por favor, faça o login para liberar o acesso.

Novos usuários podem fazer o cadastro GRATUITO no final da página.

Login de Usuários

Anti-spam device *


   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório