Não vou canonizar Baudelaire, por Leonardo Castellani

“Não vou canonizar Baudelaire, certamente não é uma leitura para moças que se alimentam com sanduíches e novelas norte-americanas, nem para moças em geral, nem para beatos, nem para burgueses, nem para burros, nem para sacerdotes não advertidos, nem para homens sem percepção artística, nem para a imensa paróquia do (mais…) Continuar lendo Não vou canonizar Baudelaire, por Leonardo Castellani

A Atenção e a Imaginação, de Cristina Campo

“A atenção é o único caminho ao inexprimível, a única estrada ao mistério. De fato, está solidamente ancorada no real, e somente por alusões escondidas no real se manifesta o mistério. Os símbolos das Sagradas Escrituras, dos mitos, se vestem das formas mais concretas desta terra: da Sarça ardente ao (mais…) Continuar lendo A Atenção e a Imaginação, de Cristina Campo

Análise da Obra “Casti connubii”, de Giovanni Gasparro

Ao realismo da obra, nos traços da criança com seus olhos melancólicos e as bochechas rosadas, segue algo de quase surreal com as múltiplas mãos que tocam e cercam a criança. É impossível não captar a ironia do título desta obra, com a qual o artista venceu o “Bioethics Art (mais…) Continuar lendo Análise da Obra “Casti connubii”, de Giovanni Gasparro

Análise da Obra “Il sacrificio di Isacco – Il sacrificio sospeso”, de Giovanni Gasparro

Trata-se de uma das obras do artista realizadas para a Basílica de São José Operário de L’Aquila – cidade arrasada pelo terremoto de 2009. O tema é o sacrífico de Isaac e a suspensão da imolação. Isaac aqui não é um jovem rapaz, mas um homem adulto – ao contrário (mais…) Continuar lendo Análise da Obra “Il sacrificio di Isacco – Il sacrificio sospeso”, de Giovanni Gasparro

Crepúsculo

Somos atormentados pelo tempo, ele atrapalha nossos planos. Ele nos compele a contemplar que apesar de tudo ainda somos meros humanos. Esses cabelos brancos não incomodam porque são feios, mas porque sua mera visão me obriga a enfrentar o tempo. “Não há nada trágico em ter 50 anos, a não ser que você tente ter 25”, diz Joe Gillis a Norma Desmond – a decadente estrela – no clássico de Billy Wilder, “O Crepúsculo dos Deuses”. Continuar lendo Crepúsculo

O homem clássico, de Dietrich von Hildebrand

“O homem clássico está preocupado com problemas autênticos. Ele reconhece o perigo do pecado, percebe sua necessidade de salvação, conhece sua fraqueza e fragilidade de sua natureza, está repleto de anseio pela verdade, a comunhão, o amor, sente a insuficiência daquilo que é criado, aspira pelo absoluto, e está “inquieto (mais…) Continuar lendo O homem clássico, de Dietrich von Hildebrand

O futuro da Arte

“A Arte não tem futuro próximo porque toda arte é coletiva, e não resta mais vida coletiva (não há senão coletividades mortas), e também por causa da ruptura do pacto verdadeiro entre o corpo e a alma.

A arte grega coincidiu com os inícios de geometria e com o atletismo, a arte da Idade Média com o artesanato, a do Renascimento com os inícios da mecânica, etc. Depois de 1914, houve uma ruptura completa. Continuar lendo “O futuro da Arte”